segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Acontecerá pequenas mudanças no blog.

Estou na busca de uma nova face para o blog, porem não encontrei nada (ainda) os comentários foram excluídos quando usei um código para novo template que acabei não deixando, e vai ser assim até acha algo, espero a compreensão de todos. Amplexos.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Dinheiro não é tudo, no entanto faz uma puta falta ein!

É meu caro quem nunca ouviu aquele dito popular bem famoso que diz o seguinte: “dinheiro não trás felicidade”? Não trás felicidade, joga dinheiro na minha mão para ver se não vou ser um cara muito mais feliz (brincadeira), mas cai entre nós não seria nada ruim ter um ‘dinheirinho’ gordo na conta bancária e outros no bolso para fazer o que bem quisesse, sem fala que trabalha nunca mais. Cresci com os meus pais me dizendo esta frase, e argumentavam que dinheiro não é o bem mais precioso que nós temos. 




O grande problema é que as pessoas nos dias atuais são bastante gananciosas, a ganância do homem é tanta que a consciência parou de existir e tomou conta do desespero para ter mais e mais, a função que se desempenha é a busca incansável pelo dinheiro, isso acaba se tornando uma dependência tão grande que muitas vezes passa despercebida, a pessoa acaba se tornando escrava e tendo como objetivo principal de conquista. Essa obsessão é tamanha que levam muitos a roubarem e até mesmo chegar ao ponto de matar outro ser humano (quem não mataria se ganhasse 1 milhão de reais). Conquanto sejam conhecidos os benefícios e males do dinheiro não à como vetar sua importância que foi criado para substituir o escambo – troca de bens.  




Algo estranho que pude relata em minhas leituras e pesquisas, é que muitos milionários vivem infelizes mesmo tendo uma enorme posse de bens e dinheiro (não sei como), concordo que seja algo bem excêntrico. Nós somos movidos por sonhos e conquistas, quando atingimos a todas as nossas metas passamos à não ter mais objetivos. Com ausência de objetivos fica algo vago assim fazendo com que a depressão surja porem não significa que o dinheiro é a causa ou o fator que provoca. Muitos metem os pés pelas mãos por não estarem preparados para lidar com muito dinheiro, a frase certa é “má administração”, em alguns casos o dinheiro acaba ou tora tudo ou vivem infelizes para o resto da vida.






Não vou chega ao ponto de fala que dinheiro não é uma fonte de subsistência para nós, aliás, todos sabem que ele é muito importante, não quero ser hipócrita, porque não há como viver sem dinheiro. Porem segue uma linha de pensamento na qual não devemos colocá-lo como prioridade em nossas vidas. Claro que ir atrás em busca de uma forma honesta de uma quantia razoável que seja de fácil administração não faz mal a ninguem para que possamos manter um equilíbrio emocional e moral.



segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

TPM - Ela sempre estará com nós queira você sim, queira você não!

Num belo momento parei para refletir sobre algo que é incógnito em minha mente, a famosa TPM – (Tensão pré-menstrual), em meio algumas dúvidas que me vem à cabeça a que mais me indaga é: o que é pior, alguém ter que passar por isso ou alguém ter de aguentar alguém passar por isso. O complicado da TPM é que (nós homens) nunca sabemos o que está por vir, é como pegar um Kinder ovo e abrir sempre na expectativa de algo inesperado não é? Porem a uma pequena diferença, com ele nós podemos nos divertir, agora faça isso com uma mulher em seus dias de TPM quando sua sensibilidade é muito mais alta que o normal (sim elas choram por qualquer coisa), onde seus nervos estão à flor da pele e o nível de agressividade é extremo.



De maneira alguma há condições de se manter um diálogo sereno e passivo por mais que tenha toda a cautela do mundo, sempre vai ter algum empecilho quando ela está nos dias de “chico”, qualquer coisa dita é motivo de ofensa, tudo e todos estão contra ela neste dia (acredite nisso é algo tipo conspiração). Baseado em uma filosofia que desenvolvi com mais um amigo, acredito que a TPM não passa de algo psicológico, na verdade não totalmente psicológico, mas uma parte dela seja, acredito que exista uma porcentagem de pelo menos 40% disto que é causado pelo psicológico e outro restante é pelo organismo onde as mulheres apresentam sintomas físicos como: cólicas, inchaço, dores nas mamas, sensibilidade, enxaqueca e dores nas articulações, e tambem existem os sintomas psíquicos que são: irritabilidade, humor depressivo, compulsão alimentar, tensão e até mesmo agressividade. 





Vou explicar o porquê desta teoria de 40% (porcento) ser do psicológico feminino. Raciocine comigo, dias antes da TPM chega, a mulher já começa a coloca em sua cabeça que ela DEVE fica nervosa, agressiva, com humor depressivo e até mesmo ter uma compulsão alimentar (comer feito uma louca principalmente doces kk), isto é algo que elas mesmas colocam em seu subconsciente, se você para um minuto para analisar isto que estou dizendo, vai notar que faz sentido.





Não estou sendo machista ou insensível, já tentei muitas e muitas vezes conviver e continuo tentando (kkkkk) com isto, entretanto é algo que não a uma compreensão para nós homens. A única solução é aceita e passa o resto de nossas vidas convivendo com essa situação (conforme-se), devemos ser pacientes, embora esta seja uma missão praticamente impossível, porem não há um custo em tentar a busca deste auto controle para melhor compreendê-las, sabemos que as mulheres não são culpadas por ter que passa todo este ciclo menstrual todo bendito mês. 






Algumas siglas da TPM:


Tendência Para Matar; 
Tente no Próximo Mês; 
Tocou, Perguntou,Morreu; 
Toda Paixão Morre; 
Tensão Pré Meleca;
Temporada Proibida para Machos; 
Tempo Para Meditação; 
Tô Pu.ta Mesmo;
Tendências a Pontapés e Murros; e por aí vai...




Achei um site onde mostra um diálogo bem interessante entre um homem e uma mulher que está em sua TPM. Segue o link:




sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Por que os casamentos nos dias de hoje não são consistentes como os de antigamente?


Nas décadas anteriores havia revistas que ensinavam como a mulher poderia ser uma boa esposa dando lhe algumas dicas essências para um ótimo casamento. Porem hoje não se faz mais revistas como as daquela época, nos tempos atuais às revistas ensinam e incentivam as mulheres a não ser mais submissas, que devem correr atrás de seus ideais, irem em busca de trabalhos fora de casa... PARA TUDO!

Naquele tempo a história era totalmente diferente, veja algumas frases que se publicava:


Frases retiradas de revistas femininas das décadas de 50 e 60:

“Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas”. (Jornal das Moças, 1957).

“Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e prova de afeto sem questioná-lo”. (Revista Claudia, 1962).

“O noivado é um perigo, mas nunca sugira um matrimônio. ELE é quem decide – sempre”. (Revista Querida, 1953).




 Observe a alegria e o brilho nos olhos da esposa obediente, uma rainha do lar.


             “Sempre que o homem sair com os amigos e voltar tarde da noite, espere-o linda, cheirosa e dócil”. (Jornal das Moças, 1958).

             “O lugar de mulher é no lar. O trabalho fora de casa masculiniza”. (Revista Querida, 1955).



                                              CONCLUSÃO:
 
               Não se fazem mais revistas instrutivas como antigamente.

  

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A história de um menino de rua que virou um monstro perante o país.




             Ontem a noite passou no canal da rede globo o filme baseado nos relatos do sequestro do ônibus 174 (sempre quis assistir e nunca tinha a oportunidade até ontem) ocorrido no dia 12 de junho de 2000, na linha Gávea-Central no Jardim Botânico. Um dos casos mais dramáticos de violência do Rio de Janeiro. Lembro que nesta época eu era apenas uma criança sem idéias formada que me baseava na opinião dos outros assim julgando o marginal Sandro Barbosa do Nascimento de uma forma totalmente hipócrita, também lembro que eu dava risada e comentava com colegas de escola dizendo que Sandro teve o fim que merecia. Com o passar dos anos li muitas noticias e assisti á muitas reportagens a respeito do assunto, hoje no decorrer de todas estas informações obtidas conservo uma opinião totalmente diferente à de 10 anos atrás, não só em uma forma de julgar o acontecido, além disso, ter uma visão critica totalmente diferente de como o sistema funciona. Aonde a hipocrisia e a omissão de muitos dirigentes deste país acontecem.

Sandro Barbosa do Nascimento, filho de uma mulher comerciante e pai desconhecido. Menino negro e pobre que em seus 8 anos de idade presenciou o assassinato da sua mãe em um assalto a bar, aonde ela era dona.  Mesmo pequeno, mas com uma grande magoa no coração foge da casa da sua tia e sai mundo a fora para esquecer tudo que lhe trazia dor, dando inicio a sua história. Morador de rua, usuário de drogas, muitas vezes obrigado a roubar para ter algo que comer, passando frio e fome nas ruas, detido algumas vezes em casas de detenções para menores de idade. Esta não é só a história de Sandro, porém é a história de tantas outras crianças brasileiras que vivem em nossas ruas sem oportunidades de uma vida melhor.  Sandro Estava sempre por ali no bairro da Candelária nas mediações da igreja fazendo deste seu abrigo, ali também presenciou a morte de seus amigos e companheiros de rua na chacina da Candelária onde o mesmo foi um dos sobreviventes, até hoje especulasse quais foram os motivos para tal atrocidade contra aquelas crianças indefesas, rolam boatos de que os comerciantes do bairro pagaram para policiais fazerem o serviço sujo para eliminar os índices de assaltos e a má impressão que as crianças traziam para o local, pois ali era um lugar histórico, embora até hoje nada se conste em relação a isso.  Sandro não sabia lê nem escreve, pois logo cedo largou a escola e fugiu da casa de sua tia alguns anos depois da morte de sua mãe. Desde pequeno teve que viver nesse mundo desigual se adequando àquilo que o sistema lhe oferecia, assim dançando com forme a música que a vida tocava. O tempo passou e ele cresceu, a cola continuou, os assaltos continuaram o que mudou foi detenção, agora habitava em um presídio, após sua saída voltou para as ruas. Alguns anos haviam se passado e dentro daquele ônibus foi traçado o fim de sua história. Sandro estava dentro do ônibus quieto sem fazer mal a ninguem, embora tivesse sobre a posse de um revólver calibre 38 que estava à mostra. Um passageiro que viu a arma consegue descer e notificar a policia sobre o fato. Então a policia intercepta o ônibus, e aí que o pânico começa, o marginal faz 11 reféns anda de um lado para o outro apontando o revolver calibre 38 para os passageiros.





 Fato esquecido por todos assim como o esquecimento de qual político elegeu na eleição anterior. Depois de horas de negociações Sandro resolve sair com a refém Geisa e com uma arma apontada para sua cabeça ele desce do veículo, é quando a policia mostra todo o seu preparo e treinamento que usam para nos proteger.


No decorrer de toda aquela tensão a policia poderia ter acabado com tudo em apenas uma decisão certa, apenas um tiro certeiro. Com todos aqueles atiradores de elite posicionados poderia ter acertado ele antes de ter descido do ônibus usando a professora Gisa como escudo porem nada foi feito e por uma imbecilidade, sim uma grande imbecilidade e erro da policia uma jovem com sonhos e inocente foi morta. Quando ambos desceram do ônibus um policial do BOPE (Batalhão de Operações Especiais) um ser “preparado” atira contra o marginal e acaba acertando o queixo da refém, em seguida Sandro dispara três tiros acertando o troco da jovem moça.






Sandro é baleado e levado rapidamente para dentro de uma viatura para não ser lixado pela população, entretanto morre antes de chegar à delegacia asfiquiciado pelos policiais dentro da viatura. Toda a população se sentiu “vingada” pela morte da jovem Geisa. Os policiais que causaram a morte do marginal foram indiciados e julgados, mas foram inocentados.


 Uma fatalidade que ocorreu por um erro não só do policial, mas também da sociedade que se cala e fecha os olhos para aquelas crianças que pedem esmola na rua, e vivem se enchendo de entorpecente nas ruas e cometendo delitos.


Sandro teve uma infância conturbada e traumatizante, isso não justifica o seu ato, não estou defendendo a ele e sim mostrando os fatos do por que dele ter se tornado um “marginal”, não podemos julgá-lo por não ter tido uma estrutura familiar boa, ou nunca ter terminado os estudos, quem sabe se lhe fossem oferecida melhores oportunidades a história não tivesse sido diferente? Hoje a professora Geisa poderia estar viva e também Sandro poderia estar vivo quem sabe nunca tivesse passado pela sua cabeça em ter uma vida que ultrapassasse as margens da lei? Quem sabe não é. Se o sistema não fosse tão falho e tivesse feito um intervenção tirando ele e muitas outras crianças, talvez nada disso tivesse acontecido. Do Caráter monstruoso mostra o quão à vida é cruel com os esquecidos da sociedade. Ainda está mesma sociedade descrimina pessoas as julgando como “marginais” sem saber o que se passa, sem saber se ela realmente tem algum antecedente neste meio. É triste, entre tanto esta é a nossa realidade, a própria sociedade cria esses monstros e depois os condena, acredito que daqui alguns anos essas histórias possam ser diferente, assim como Sandro existem muitos em nossas ruas.